221 - LUCHO GONZALEZ

É compreensível que para uma equipa que no ano transacto, naquilo que foi uma temporada que praticamente roçou o fabuloso, quase tudo ganhou, se crie alguma ânsia vitoriosa para o futuro próximo. Por isso, também é perfeitamente normal que, quando essas mesmas expectativas acabam por sair defraudadas, se procure, o mais cedo possível, fazer algumas mudanças que contrariem, ou pelo menos atenuem, esse trilhar de caminho para a desilusão. Bem, o que aconteceu no meio campo portista durante esta última "janela" de mercado, acabou por ser um bocadinho mais do que isso. E com a saída, por empréstimo, de atletas como Guarín (Inter), Belluschi (Genova) e Souza (Grêmio), o que acabámos por presenciar, não foi menos do que uma autêntica revolução. Pois está claro que, com tanta mudança, alguma forma o FC Porto haveria de ter para conseguir compensar todas essas transferências. Mas aqueles que pensaram que tudo iria ficar resolvido com a contratação de mais um batalhão de jogadores para o sector intermediário do campo, enganaram-se. Bastou Lucho Gonzalez!
O regresso de "El Comandante" ao Estádio do Dragão acabou por ser, tanto a nível desportivo como financeiro, a melhor aquisição deste Inverno por parte de uma equipa portuguesa. É que, para além de todo o valor futebolístico reconhecido ao internacional Argentino, Lucho acabou por não custar, por assim dizer, um cêntimo aos "Azuis e Brancos". Ao que parece, o salário que este auferia no Marselha, um dos mais elevados, começou a ser incomportável para os cofres do emblema gaulês, não restando a estes últimos "libertar" o médio. Agradeceu o FC Porto que assim, mais uma vez, pode contar para as batalhas que se avizinham, com um dos grandes ídolos da sua massa associativa.

220 - CÉSAR PEIXOTO

Quando, no início de temporada, César Peixoto informou Jorge Jesus que, doravante, só deveria contar com ele para ser utilizado no meio-campo, e a "número 10", não sei se chegou a pensar que este último fosse, de alguma forma, ceder ao seu pedido. Se assim foi, enganou-se rotundamente, pois, ao invés de se ver privilegiado com tal exigência, o canhoto, que até ali, maioritariamente, ocupara ao serviço do Benfica, o lugar de defesa lateral esquerdo, acabou por ser excluído das contas do técnico benfiquista. Este isolamento a que o próprio jogador se acabou por sujeitar, resultaria, apesar de ainda ter sido inscrito para a Liga dos Campeões, numa total abstinência desportiva. Sem jogar uma partida sequer, para o internacional português não houve outra solução senão sair da alçada do treinador que outrora, talvez em demasia, o havia protegido. Ao não ser utilizado e com o contrato a terminar no final da corrente época, a direcção encarnada decidiu corresponder às expectativas do jogador e libertá-lo do vinculo laboral que os unia.
"Tive alguma pena que ele tivesse saído." - afirmou à comunicação social Jorge Jesus. Mas nem o desabafo do timoneiro das "Águias" fez com César Peixoto olhasse mais uma vez para trás e, sem compromisso contratual, rumou ao Minho para assinar e fazer a segunda metade do Campeonato ao serviço de uma das boas surpresas da Liga, o Gil Vicente.

219 - CÉSINHA

Para que não sejamos acusados de dar atenção apenas aos emblemas maiores do nosso futebol, decidimos, claro que essa não foi a razão principal, "colar" na nossa colecção aquele que, a nosso ver, foi para a Liga Orangina a contratação mais sonante deste "Mercado de Inverno". Pois é, Césinha, após uma aventura de 4 anos no Rapid de Bucareste e depois de, já esta temporada, ter jogado pelo Larissa da Grécia, está de volta aos nossos campeonatos. Aquele que chegou a ser uma das grandes promessas do futebol bracarense, onde chegou em 2004, assinou este Janeiro pelo Moreirense, afirmando-se, para já, como um dos grandes reforços do emblema minhoto. O clube que se tem vindo a afirmar na presente época como uns dos mais fortes candidatos à luta pelos lugares de promoção à Primeira Liga, consegue, com o regresso do avançado brasileiro, juntar a um plantel já por si bem interessante, mais um bom jogador para os auxiliar nessa que é a árdua disputa pela subida de escalão. Nesse sentido, mas com alguma cautela, e para além do golo já por si concretizado, o extremo já prometeu aos seus adeptos que "o objectivo (...) é jogarmos cada jogo com determinação (...) e fazermos bons resultados a cada partida".

218 - RÚBEN AMORIM

É inegável, e ainda agora se iniciou a segunda metade da temporada, que a boa prestação que o Benfica tem para já tido, o põe a esta altura como o principal candidato à vitória final no Campeonato Nacional de futebol. Claro que a todo este óptimo prenúncio, não é indiferente o bom trabalho equacionado pela equipa técnica comandada por Jorge Jesus. No entanto, e apesar do bom rumo que a época encarnada está a tomar, têm existido certos pormenores que, no meu entender, haveriam de ser repensados. Um dos que me refiro prende-se com a gestão do plantel, nomeadamente com a pouca utilização de alguns dos elementos que compõem o mesmo. É verdade que para qualquer argumento que eu possa apresentar contra os métodos utilizados, hei-de ter sempre os resultados que me provam o contrário. Contudo, se aquilo que aqui venho discutir poderá não ter, directamente, grande influência sobre as ditas metas colectivas, no que diz respeito à condição anímica dos elementos com menos "minutos", acho que é deveras importante. Assim, é por essa razão que tenho defendido que, em encontros onde já não há desportivamente muito a disputar, ou mesmo a partir de certos momentos do jogo em que, praticamente, o resultado final está garantido, o treinador deverá sempre dar, sem com isso desequilibrar a harmonia da equipa, primazia aos elementos que em condições normais não terão a sua preferência. Um dos casos que todos conhecemos e que acaba por resultar disto que tenho estado a falar, é o de Rúben Amorim. Atenção, não quero com isto, de maneira alguma, desculpar a atitude que, ao recusar-se a cumprir as ordens de treino dos seus técnicos, o internacional português teve. Agora o que realmente penso, é que se esta minha "sugestão" tivesse sido posta em prática, tinha-se evitado toda a "novela" de inquéritos, culpas e castigos e, principalmente, um impensável e incompreensível empréstimo de um ano e meio ao Sp. Braga.

217 - YANNICK DJALÓ

Depois de ter sido, à imagem de uma boa novela, protagonista da transferência mais polémica do Verão, Yannick Djaló voltou a ser um dos nomes mais badalados deste Inverno.
Após ter iniciado a sua temporada com o Sporting, e de ter, inclusive, disputado as primeiras jornadas da edição 2011/12 da Liga portuguesa ao serviço do clube de Alvalade, o avançado viu, nos dias que antecederam o fecho do "Mercado", os seus direitos desportivos serem cedidos pelos "Leões" ao Nice. Bem, até aqui tudo normal!!! Mas ao que parece, chegado o jogador a França, o que constava nos "papeis" estava longe de ser aquilo que tinha sido acordado em Lisboa. Por razão do desfasamento entre o apalavrado e o que constava nos documentos, o atleta recusar-se-ia a assinar e as negociações acabariam por entrar numa nova fase. Abeirando-se estas da hora limite, a meia-noite de 31 de Agosto, tudo se complicaria e a formalização do contrato entre as ambas partes, acabaria, devido a um atraso de escassos minutos, por dar entrada na entidade própria, já fora de horas. Com a FIFA a reconhecer como inválida a inscrição, Djaló atravessaria um calvário de longos dias sem jogar, que acabariam por culminar com a rescisão entre o extremo e os gauleses.
Liberto de qualquer compromisso, sobre Yannick logo se começou a especular sobre qual seria o seu próximo destino. FC Porto e outros emblemas ingleses, incluindo o Aston Villa, foram alvitrados como possíveis interessados no seu concurso. A verdade é que, depois de muito se noticiar a esse respeito, seria o Benfica a conseguir assegurar, por indicação expressa do treinador encarnado, os seus serviços. Apesar da desconfiança, por parte de alguns adeptos, sobre a mais valia do internacional português, a verdade é que este acabaria por ser recebido em euforia. E depois de, com o público a aplaudi-lo sempre que tocava no esférico, ter feito a sua estreia em encontro a contar para a Taça da Liga, Yannick Djaló já prometeu que "para a próxima o estádio vem abaixo"!!!

216 - MEYONG

Tem sido perfeitamente normal, sempre que se abre uma nova janela de transferências, ver-se veiculado no meio jornalístico desportivo, notícias especulando sobre a possível dispensa de Meyong do plantel do Sp. Braga. No entanto o que se verificava era que, apesar dos múltiplos destinos que lhe iam sendo atribuídos, o avançado acabava sempre por ser incluído nos planos dos técnicos "arsenalistas". A verdade é que a sua crescente falta de utilização foi, progressivamente, pondo o internacional camaronês, cada vez mais à beira da tão badalada saída. A inevitabilidade de tal destino acabou por materializar-se este Inverno, e Meyong acabou mesmo por deixar a "Cidade do Arcebispos". O capítulo que se segue agora na sua carreira não é propriamente uma novidade para o atacante. A mudança para Setúbal, mais especificamente para o Vitória local, é apenas um retorno à casa que primeiro o acolheu em Portugal. Esperemos, e com certeza que também é esse o anseio dos adeptos sadinos, que este regresso, por um lado, ajude o clube na sua difícil luta pela despromoção, e por outro, que sirva para consigamos ver mais em campo um dos bons interpretes da Liga portuguesa... que, como bem se devem recordar, até já se sagrou como o melhor marcador da dita competição.

215 - MORENO

Está de regresso ao nosso Campeonato Nacional aquele que tenho considerado como um dos bons centrais que actuou em Portugal nos últimos tempos. Depois de um ano, mais precisamente duas meias temporadas, em Inglaterra, Moreno, talvez um pouco desiludido com os resultados do projecto que decidiu abraçar, resolveu voltar, desta feita, para representar o Nacional da Madeira. No Leicester, onde, pela mão do sueco Sven-Goran Eriksson, chegou, juntando-se ao guarda-redes internacional Ricardo e a Miguel Vítor, como reforço no Inverno de 2011, nunca conseguiu conquistar um lugar no onze inicial da equipa. Vendo também que, novamente esta época, a sua situação se mantinha, aliado a um desempenho da equipa que a retém a vaguear pela zona intermédia da tabela classificativa na Championship, o segundo escalão inglês, fez com que jogador e clube, decidissem pela rescisão amigável do contrato laboral que os ligava. Foi assim então, que, a custo zero, o polivalente defesa - também desempenha, com resultados muito satisfatórios, funções no meio do terreno - chegou à Choupana. Agora com 30 anos, possivelmente já a afastar-se ligeiramente do auge do seu desempenho, procurará com esta nova transferência relançar a sua carreira. Para já, o começo, foi prometedor, com Moreno, para além de facilmente ganhar a titularidade, a marcar na estreia um dos golos que ditaram a vitória dos "Alvi-Negros" frente ao Feirense.

214 - RENATO NETO

A onda de lesões que, durante a primeira metade de temporada assolou o meio-campo leonino, agravada com a perda de protagonismo de André Santos nas contas de Domingos Paciência, levaram o técnico a procurar outro elemento para o sector intermediário da equipa. Como dinheiro, confirmado pelo relatório recentemente apresentado e que põe o clube em falência técnica, é coisa que não abunda para os lados de Alvalade, nada melhor do que resolver a questão conseguindo um reforço que já fazia parte dos quadros do emblema do "Leão". Assim, e depois de um ano e meio a representar, por empréstimo, os belgas do Cercle de Brugge, Renato Neto regressou à "casa" onde chegou com apenas 16 anos, o Sporting.
Se houve alguém que esperaria que o jovem brasileiro viesse apenas para fazer número, então muito se terá espantado quando, logo para o embate entre o Sporting e o FC Porto, seria anunciada a sua estreia no Campeonato. Apesar de auspiciosa, o resultado deste arriscar no médio, resultaria tal como a toda a partida, encolhida e meia envergonhada, mediana. Verdade seja dita, os jogos que se lhe seguiram, tanto em Olhão como em casa frente ao Beira-Mar, também muito por razão da má fase que o Sporting tem vindo a atravessar, não têm sido para o jogador muito melhores que o "clássico". Contudo, não duvidem - Renato Neto é uma belíssima aposta e será, num futuro próximo, um dos bons elementos do plantel.

213 - OZÉIA

Com a chegada de Henrique Calisto ao comando técnico dos "pacenses", e após ter encontrado a equipa no último lugar da tabela classificativa, uma das conclusões a que o treinador terá chegado, foi a de que parte da culpa desta situação estaria relacionada com um sector defensivo que, na sua maneira de ver, estaria um pouco debilitado. A primeira solução encontrada para, então, resolver este problema, foi promover a vinda de um velho conhecido de Paços de Ferreira, o central Ozéia. Independentemente destas conjunturas, o certo é que, com este regresso, o defesa brasileiro arrisca-se, se é que não o é já, a transformar-se num dos grandes fenómenos nacionais do mercado de transferências de Inverno!!! É que, depois dos primeiros anos de amarelo vestido e do regresso à Mata Real, também por esta altura, no ano passado, Ozéia, que ainda no Verão passado se viu transferido para a Roménia e que, por razão de complicações de ordem burocrática, não chegou a jogar pelo FC Vaslui, repete novamente a "graça", e voltou, neste Janeiro de 2012, a ser inscrito como um dos reforços dos "castores". Não há dúvidas que este foi um dos melhores jogadores que passou pelo plantel do Paços de Ferreira nas últimas temporadas. Veremos se com esta contratação ficam resolvidas as carências defensivas do grupo e se, finalmente, a equipa da "Capital do Móvel" volta à luta pela permanência.

MERCADO DE INVERNO '12

Cada vez mais vejo o mês que passou existir no sentido de proporcionar um pronto-socorro para os aflitos!!! E o que se constata é isso mesmo - que são os mais apertados, os que necessitam de ajeitar os buracos, financeiros ou desportivos, deixados pela primeira metade da temporada, que recorrem, maioritariamente, a esta oportunidade. Ainda assim, no meio de muitas vendas e de verdadeiros "remendos", tivemos algumas contratações interessantes. Por isso, no rescaldo de mais um mês transferências, vamos dedicar este Fevereiro aos "cromos" do "Mercado de Inverno"!!!